Quinta-Feira, 17 de Agosto de 2017 o único semanário da região
 
PUBLICIDADE
Anuncie Aqui
 
Por Sebastião Deister 30/07/2017 - 21:46:10   |  Atualizado em 30/07/2017 - 21:46:49
 
As Igrejas Católicas na Ocupação do Vale do Paraíba - Sebollas
 
Likes:
Shares: 11
Comentários: 0
 
  Curtidas
  Compartilhamentos
 
 

| Foto: SD |

Sebollas = Nossa Senhora de Sant’anna


O arraial de Sant’Anna de Sebollas tem suas origens calcadas em 1723, ano em que o reinol Francisco Fagundes do Amaral e sua mulher Águeda Gomes de Proença receberam uma freguesia junto ao rio que logo depois foi batizado como Fagundes em homenagem àquele desbravador. Entretanto, o local já era conhecido por esse curioso topônimo, uma corruptela da palavra “Sipollas” que, na língua provençal do Sudeste da França, na Idade Média, significava “região de lendária beleza e fertilidade, habitada por gente feliz.” A lenda corrente na época dá conta de que alguns aventureiros, após passarem por aquele local, acharam-no tão belo que o consideraram um eldorado em meio àquele sertão inóspito, consagrando-o então como Sant’Anna de Sipollas. Lenda ou não, o fato é que a freguesia incorporou essa inusitada denominação, e pela ligação de descendentes de Francisco e Águeda com os imigrantes Leandro Barbosa de Mattos (chegado de São João de Meriti) e Francisco Gonçalves Teixeira (vindo do Minho, Portugal), formaram-se ali os troncos das três famílias fundadoras do arraial. Importante ainda a registrar é que a irmã de Leandro Barbosa de Mattos – D. Mariana Barbosa de Mattos – vinha a ser esposa de Francisco Gonçalves Teixeira, e esse casal aglutinou seu nome, em definitivo, ao crescimento daquela pequena vila.


A primeira igreja de Nossa Senhora de Sant'Anna de Sebollas deu lugar a um cemitério colonial por volta de 1740. Interessante notar que o pioneiro Fagundes faleceu em 1732, sendo sepultado no cemitério do adro da capela de Nossa Senhora da Conceição e de São Pedro e São Paulo, na Ilha, em Paraíba – esta, por sua vez, levantada no ano de 1715. Por sua vez, sua esposa Águeda veio a falecer em 1740, tendo sido seu corpo inumado no recém-criado cemitério da Fazenda de Sebollas, o mesmo que, em 1792, receberia parte do corpo de Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes.


A segunda capela de Sebollas foi construída por Provisão de 1 de setembro de 1769, graças a um requerimento enviado por Caetano Borges da Costa e Francisco Gonçalves Teixeira ao Governo da Província, ganhando assim a imediata condição de Curato, porém a criação eclesiástica da Paróquia de Sant’Anna ocorreu em 1839. Finalmente, em 1858 foi construída a 1ª Igreja de Sant’Ana de Sebollas, transferida para a atual posição em 1894.


Pelo Decreto-Lei nº 153, de 7 de maio de 1839, o Governo Provincial elevou Sebollas à categoria de freguesia, anexando-a como Capela Filial do Milagroso Santuário do Senhor Bom Jesus de Matosinhos, de Sardoal. Por seu turno, a Lei nº 2999, datada de 3 de dezembro de 1869, mudava o nome de Sant’Anna de Sebollas para Sant’Anna de Tiradentes, concorrendo para tanto os trabalhos legislativos desenvolvidos pelo vereador Dr. Leopoldo Teixeira Leite e pelos deputados Diocleciano Alves de Souza e Sebastião Modesto.Todavia, o termo Sebollas não seria apagado da memória dos moradores locais. Apesar de todos os movimentos legislativos buscarem fixar a designação de Sant’Anna de Tiradentes para aquele logradouro, ele continuou a ser chamado de Sebollas, muito embora toda a população paraibana reconhecesse o mérito de ali se perpetuar o nome de um brasileiro tão conhecido quanto o Alferes Joaquim José da Silva Xavier. Tempos depois, o Decreto estadual nº 641, de 15 de dezembro de 1938, mudava o quadro territorial a vigorar no quinquênio 1939-1943, alterando ao mesmo tempo o topônimo do lugar. Com isso, o Distrito de Sant’Anna de Tiradentes era consagrado então com a designação de Distrito de Inconfidência, arrolado na Prefeitura Municipal como 3º Distrito do Município de Paraíba do Sul.


A atual igreja é de arquitetura vernacular, com porta principal em arco pleno, frontão triangular com óculo central e uma torre sineira. Suas paredes laterais possuem seis óculos com vitrais de origem francesa. A nave principal possui um lustre em prata de lei ornamentado com detalhes cinzelados. No altar-mor impera o belíssimo ícone de Nossa Senhora de Sant’Anna tendo a seus pés uma comovente imagem de Cristo Morto, peças atribuídas a um entalhador do século XVIII. O batistério é singelo, com pia batismal de mármore. A sacristia abriga um quadro a óleo sobre tela de 1888, retratando cenas religiosas sem identificação do autor, baixelas religiosas, imagens variadas em gesso, tocheiro de latão, vasos maiores para queima de incenso (turíbulo) e recipientes menores para incenso (navetas). O acesso ao coro possui escada em caracol confeccionada em fino acabamento rendilhado. Todo o acervo sacro da igreja está sob a guarda do Museu Sacro Histórico Tiradentes (inaugurado em 21 de abril de 1972 por Raymundo Padilha então Governador do Estado do Rio de Janeiro) e pelo senhor Nelson Aguiar, Prefeito de Paraíba do Sul, como parte das comemorações do sesquicentenário da Independência do Brasil.


Segundo o historiador Luiz Carlos Coelho, da Fundação Cultural de Paraíba do Sul, a Igreja de Nossa Senhora de Sant'Anna de Sebollas foi cenário de uma história que envolve um falso padre. Nazista foragido, José Lockner assassinou o pároco de Nossa Senhora de Sant'Anna de Sebollas, assumiu sua identidade e roubou um valioso candelabro de prata do templo, que só foi recuperado anos depois em um antiquário na cidade do Rio de Janeiro. Descoberto, ele foi banido de Sebollas e fugiu para o município de Matias Barbosa, em Minas Gerais, onde cometeu outros crimes e acabou sendo linchado pela população local.


Avenida Juventino Laranja, sn – Tel: (24) 2266-0888


A partir da próxima edição: As Estações Ferroviárias da Linha Auxiliar


 

 
TAGs  
| Sebastião Deister | Miguel Pereira |
 
PUBLICIDADE
Anuncie Aqui
 
Comente  
 
 
Notícias Relacionadas
     
PLANETA COLABORA - RIO DE JANEIRO
Baía de Guanabara leva “bomba”
 
 
COMÉRCIO - MIGUEL PEREIRA
Cartel do preço da gasolina?
 
 
veja mais...
 
 
PUBLICIDADE
 
 
PUBLICIDADE
Anuncie Aqui
 
 
Jornal Regional    
Editora Panorama Real Ltda ME    
CNPJ: 21.153.071/0001-02    
     
 
 
Copyright© 2017 - Todos os Direitos Reservados | Proibida a reprodução total ou parcial do conteudo do Jornal Regional para fins comerciais Desenvolvimento: Desenvolvido por RG7 Designer