Na comemoração dos 90 anos de nascimento, 25/1, algumas histórias do genial maestro em Miguel Pereira

Tom Jobim em Javary, no hotel do tio Paulo

29/01/2017 Cultura

Aos 6 anos de idade, Tom Jobim, sua irmã Helena, de 2 anos, e sua mãe Nilza já frequentavam Miguel Pereira. Era em Javary, na década de 30 (1933), que a família fugia do Rio. Vinham de trem, faziam baldeação em Belém (hoje Japeri) onde tinham que correr para pegar as malas no bagageiro para não perder a Maria Fumaça rumo a Javary. Passavam as férias no hotel do tio Paulo e irmão de Nilza, hotel Javary, e na verdade, o tio Paulo era o comandante Paulo Emílio.

 

Ali, Tom Jobim acordava cedo, e mal raiava o dia, já estava pronto para pular da cama. Pegava um copo na cozinha, e ia correndo para o curral, atrás das cocheiras, e lá tomava leite quente tirado na hora.

Tom gostava de passear pisando pelas folhas secas e brincava de carrapeta com as cascas das sementes de eucalipto. Tom, com essa idade, já procurava por pássaros ali por perto, mas diziam que o cheiro forte dos grandes pés de eucaliptos (citriodora) não deixava os passarinhos fazerem ninhos.

Helena Jobim, sua irmã, mais tarde contaria em livro suas lembranças de Javary: “havia um açude, belo e misterioso, rodeado de eucaliptos, suas águas de garapa escondiam um segredo no fundo, era um lugar paradisíaco” disse Helena em seu livro Antônio Carlos Jobim, Um Homem Iluminado.