A Alemã Underberg investe na Região Serrana do Rio de Janeiro

Com sede em Miguel Pereira, nova fábrica produzirá Brasilberg e visa ampliar o volume de venda da bebida no país e no exterior

Empresa alemã de gestão familiar, em sua quinta geração à frente do negócio, a Casa Underberg é referência no mercado mundial de bebidas a base de ervas. Desde o longínquo ano de 1846, seu digestivo, vendido na emblemática garrafa de 20ml, é o produto mais importante do grupo, estando presente em mais de 100 países. O Brasil ganha destaque nessa história em 1932, com a chegada do Dr. Paul Underberg ao Rio de Janeiro. Neto do fundador Hubert Underberg, ele iniciou a produção de uma nova bebida, o Brasilberg, a qual acrescentou ervas amazônicas. No dia 11 de maio de 2018, aproximadamente 85 anos desde a construção da primeira fábrica na Tijuca (RJ), a marca dá mais um importante passo para seu crescimento no país, com a inauguração de uma nova sede em Miguel Pereira (Região Serrana do RJ).

 A fábrica ocupará um terreno de 11.500 m², com 2.100 m² de área construída. O espaço vai triplicar a capacidade de produção anual. Importante destacar que o Brasil é o principal mercado do grupo fora da Europa. ?O produto brasileiro é de grande importância para nossa empresa, não à toa que estamos investindo nessa nova linha de produção. Sua atuação no mercado externo é muito forte, com ótima aceitação, principalmente pelo próprio povo alemão. A nova sede também abrirá caminho para que, em um futuro próximo, possamos produzir outros rótulos da Casa Underberg?, conta Marcus Rumen, diretor do grupo no Brasil.

 Foram investidos aproximadamente cinco milhões de reais em Miguel Pereira, e o projeto prevê o replantio de cerca de 200 árvores nativas como forma de recompor a vegetação  ao redor da construção e proteger o Rio Cachoeirão com a restauração da mata ciliar que a rodeia. Uma maior produção da bebida também promete alavancar os números no Brasil. Atualmente, o Brasilberg é exportado para sete países: Alemanha, Suíça, Dinamarca, Noruega, Suécia, Uruguai e Paraguai. Há também a intenção de expandir as vendas para novos países, porém, prioritariamente, o investimento reverterá para a ampliação das vendas nas praças já atuantes. A bebida está presente em todos os estados brasileiros, e o Sul (SC, PR e RS) e Sudeste (RJ e SP) correspondem ao maior número de consumidores.

 Um dos pilares mais importantes da empresa é sua relação com o meio ambiente, e pensando nisso se buscou uma área que não apresentasse nenhum tipo de degradação ambiental. Dessa forma, o local da instalação foi escolhido por ser uma área que se encontra dentro de duas reservas ambientais, a APA GUANDU e a REBIO TINGUÁ, além de estarem próximos à APA do RIO SANTANA, nas qual ocorre a proteção de mananciais hídricos, da fauna e da flora. As características naturais da região foram determinantes para a escolha, considerada ideal para sediar a produção de um produto a base de ervas.

 Alinhado com a filosofia da empresa e para garantir a qualidade dos ingredientes, a aquisição das ervas aromáticas é proveniente de fontes sustentáveis e a extração de seus óleos essenciais vale-se de tecnologia farmacêutica de ponta. A linha de produção utiliza água de fonte própria e conta com equipamentos modernos para minimizar o consumo de energia. Outras iniciativas sustentáveis adotadas na nova construção foram o tratamento e reutilização de toda a água de processo para uso sanitário, para que não gere nenhum efluente; o uso de lâmpadas de LED e um projeto com teto e janelas que permitem a entrada de luz para a operação da fábrica até às 17h sem o uso de qualquer lâmpada; e o sistema de tratamento de esgoto sanitário por uso de biodigestor.

 Atualmente, o montante de negócios de todas as empresas e marcas do grupo alemão é de cerca de 300 milhões de euros por ano.


Underberg no Brasil

 

A empresa alemã centenária, fundada em 1846, opera em escala internacional e ficou conhecida pelo digestivo à base de ervas que leva seu nome. Eles inauguram agora em maio uma fábrica própria no Rio de Janeiro. Antes de falar sobre isso, quero fazer um resumo sobre a história da marca: a Underberg foi exportada para o Brasil pela primeira vez em 1866, uma das empresas mais antigas de todas as alemãs que já tiveram relações comerciais com o país.

Até a eclosão da Primeira Guerra Mundial em 1914, o consumo de Underberg no Brasil era tão alto que o mercado brasileiro se tornou um dos principais de exportação da matriz. Com início da guerra, as exportações foram interrompidas, só retomando a partir de 1927.

Nessa época, um dos filhos do fundador da empresa visitou o Brasil para explorar as oportunidades de mercado e cinco anos depois veio em definitivo para desenvolver uma produção no Rio de Janeiro com as ervas importadas da Alemanha. A empresa teve muito sucesso por aqui, mas com a Segunda Guerra Mundial (1942) a matriz alemã não conseguia mais enviar a mistura de ervas para o Brasil. Optaram, então, por outra alternativa: utilizar ervas brasileiras da Amazônia. Nascia, assim, a bebida que hoje conhecemos como Brasilberg, atualmente exportada para sete países e está presente em todos os estados brasileiros.

 Agora, negócio de gestão familiar na sua quinta geração, dá um novo passo importante no Brasil com a inauguração da fábrica própria, em Miguel Pereira. Foram investidos aproximadamente cinco milhões de reais no projeto, que vai triplicar a capacidade de produção anual. Para a inauguração da fábrica, no dia 11 de maio, representantes da quarta e quinta geração da família virão para o Brasil, entre eles a principal executiva do grupo na Alemanha, Dra. Hubertine Underberg.  

 O Brasil é principal mercado do grupo fora da Europa, o produto brasileiro tem muita importância para a empresa e tem ótima aceitação principalmente pelo próprio povo alemão. Acha que pode render para vocês? Interessaria a cobertura da inauguração da fábrica? No dia 11, a Dra. Hubertine Underberg estará à disposição para atender a imprensa.