"Não contive a emoção", professor e secretário de Cultura Nicolau Salerno

O aluno que largou as drogas, tem na leitura seu principal esteio para continuar "limpo"

03/06/2018

Uma amiga enviou à minha esposa a foto de uma reportagem sobre superação, no Jornal Regional, Edição 0182, de 20/04/2018, perguntando se eu era o professor citado no texto. Não era possível ler toda a reportagem, mas ao ler o relato de Lucas, cujo título é um ato de coragem, ?Usei droga dos 15 aos 20 anos?, não contive a emoção. Ler o depoimento de um jovem talentoso que superou o trágico caminho das drogas e, nesse caminho, o meu destino ter cruzado com o dele, foi demais para um professor, que dedicou, e ainda o faz, 40 anos de sua vida em sala de aula.  Ser referência e suporte para a recuperação de Lucas é o ápice de uma carreira docente.  Vejo que valeu a pena estudo e dedicação.  Quanto a ele, nunca escondi a minha admiração pela capacidade intelectual, pela criatividade, pela cultura, pelo respeito. Lucas era um aluno questionador; simplesmente tornava a aula dinâmica, divertida, fascinante. Eu preparava aulas diferenciadas pela motivação de tê-lo em sala.  Mas eu não está só, nessa motivação, ele contaminava todos os colegas.  Lucas tinha e tem alma para o conhecimento.  Não fui eu que o inspirei; foi ele, com certeza, que me fez crer que podia ser um professor melhor.  Exatamente como fez com esse depoimento no jornal, expressando elogios, amizade e grandeza.  Obrigado, Lucas, aluno e amigo.  Obrigado por caminhar em direção a uma vida melhor e reencontrar aquele ?ser? genial, que marcou minha história e, certamente, de tantos outros.  Tenho certeza que o livro que está escrevendo será compensador para você e para muitos que precisam de uma nova história.

            Gostaria de agradecer-lhe com uma poesia de um dos livros que escrevi, em formato digital, para lembrar-lhe que você nunca estará sozinho.

            ?PARA CADA UM EXISTE UM OUTRO?

            ?Para cada momento, há um novo;

            Para cada alegria, há uma dor;

            Para cada dor, uma cura;

            Para cada cura, uma nova doença;

            E pra cada doença, uma nova cura.

            Para cada amigo, há uma traição;

            Para cada traição, há um amigo sincero;

            Para cada abraço, há um afeto,

            E pra cada afeto, há uma esperança.

            Para cada esperança, há um desejo,

            Para cada desejo, há uma espera,

            Para cada espera, há um sorriso,

            E para cada sorriso, ...

                        Ah! Para cada sorriso, há a certeza

                        de um futuro.

            Para cada ódio, há um amor;

            Para cada amor, há um arrepio;

            Para cada arrepio, há um cuidado;

            Para cada cuidado, há a prevenção;

            Para cada prevenção, há um perigo;

            E para cada perigo, há uma solução.

Para cada futuro, há um passado;

Para cada passado, há um hoje;

E hoje é agora, o tempo em que vivemos.

            Nada passa sem algo,

            Porque algo é tudo a cada momento.

            O olhar que atrai é o mesmo que venera;

            O beijo que confirma é o mesmo que nega;

            A mão de afaga é a mesma que se vinga;

            A atitude que enfrenta é a mesma que medra.

            Ninguém passa sem alguém.

            Para cada eu, há você;

            Para todos nós, existem eles;

            Para aqui, com vocês, existo ?eu?,

                        Sozinho no meio de amigos,

                        Falando no meio do silêncio,

                        Feliz por este momento,

                        Partilhando o seu destino.

            Para cada um, há dois.

            Assim, ninguém é uma ilha,

            Somos um arquipélago,

            Formando um continente.?

?Lucas tinha e tem alma para o conhecimento?.

 

Agradeço ao Jornal Regional por permitir uma homenagem sob a ótica de uma história de superação.