Miguel Pereira, 63 + 121 anos como Cidade

A história desde o início em 4 edições

13/10/2018

Conhecido inicialmente como Barreiros, o território que hoje compõe a cidade de Miguel Pereira ganhou, posteriormente, a designação de Vila da Estiva em função da presença de uma fazenda do mesmo nome em cujas terras foram implementadas as primeiras obras da estação da Estrada de Ferro da Linha Auxiliar. Graças à iniciativa pioneira do comerciante Antônio da Silva Machado (Machadinho), surgiu, no centro da localidade, a primeira capela católica consagrada a Santo Antônio, com a primeira missa em honra deste santo sendo oficiada pelo padre Leonardo Felippe Fortunato em 13 de junho de 1897.

Na ocasião, a Estiva pertencia, política e administrativamente, ao município de Vassouras (então governado por Antônio Ribeiro Velho de Avelar, presidente da Câmara de Vereadores, visto que àquela época não existia a figura jurídica de prefeito).

Após a consagração do pequeno templo, aventou-se a hipótese de se considerar o dia do padroeiro como o de nascimento real da Estiva, documentando-se, então, na sede municipal, a homologação de 13 de junho como dia de fundação oficial da Vila.

Depois de 23 de dezembro de 1918, data de morte do professor Miguel Pereira, o lugar passou a ser chamado por moradores e visitantes de "Vila do Miguel Pereira", título rápida e simplesmente abreviado para Miguel Pereira.

Três anos depois, exatamente em 14 de dezembro de 1921, esse topônimo viu-se reconhecido pela Câmara de Vereadores de Vassouras por conta da Lei Orgânica nº 1.734 outorgada naquele ano. Por coincidência, a Câmara era então presidida pelo senhor Manoel Guilherme da Silva (avô de Manoel Guilherme Barbosa, o Nelzinho, que viria a ser prefeito de Miguel Pereira em 1967), enquanto o Dr. Sílvio Ferreira Rangel via-se elevado à condição de primeiro prefeito eleito daquela cidade.

Compunham a Casa Legislativa de Vassouras os vereadores Coronel Garcindo Rodrigues Ferreira, José Eugênio Pinheiro, João Gomes Corrêa dos Reis, Agostinho de Tofani, José Monteiro Soares, Manoel Antônio Costa, Laurindo Antônio de Mello, Maurício Paiva de Lacerda e Horácio Gomes Leite de Carvalho. Como em junho de 1897 (com o aval do presidente da Câmara, padre Olympio de Castro) já houvera a confirmação de fundação da Vila, a Prefeitura de Vassouras, em 1921, houve por bem confirmar tal data como a criação legal da cidade, razão pela qual Miguel Pereira completou, em 13 de junho passado, exatos 121 anos de fundação.

Ressalte-se que não se trata de implantação do município (criado em 1955), mas apenas da cidade-sede. Como confirmação dessa data, é justo lembrar que, em junho de 1997, a Prefeitura de Miguel Pereira, sob o comando de Roberto Daniel Campos de Almeida, organizou e coordenou, ao lado da Paróquia conduzida por Frei José Kropf e na presença do Bispo D. Elias Manning, diversos eventos litúrgicos, sociais, culturais e turísticos destinados a celebrar o então Centenário da Cidade.  

Foto 1 - Vista panorâmica do centro de Miguel Pereira no final da década de 20.

Foto 2 - Presidente Nilo Peçanha, o ministro Francisco Sá e o engenheiro Paulo de Frontin, em Miguel Pereira, na inauguração da Estação de trem de Barão de Javary.

Foto 3 - Litorina que fazia a ligação entre Miguel Pereira e Vassouras. Praticamente não existia estradas, como temos hoje a RJ 121, na verdade de Cilandia até Vassouras por ali passava o trem.

Na próxima semana o capítulo da emancipação.