24 de janeiro de 1835: acontece a Revolta dos Malês, levante de escravos em Salvador

Os escravos de origem muçulmana

07/02/2019 História

No dia 24 de janeiro de 1835, ou seja, há 184 anos, ocorreu a chamada ?Revolta dos Malês?, na cidade de Salvador, na Bahia. Ela é considerada uma das maiores revoltas da história do estado.

A Revolta dos Malês foi resultado da instabilidade política do governo imperial brasileiro que teria início a partir dos anos de 1830. Entre os acontecimentos desse período, estão a renúncia de Dom Pedro I (1831) e a Regência Provisória que duraria até 1840, quando Dom Pedro II recebe a Declaração de Maioridade e obtém, assim, o direito a se tornar o imperador do Brasil daquela época.

Esse período também foi marcado por uma série de transformações lentas e graduais na estrutura política, econômica e social do país, bem como por uma série de revoltas que tinham por objetivo derrubar o poder vigente e favorecer o movimento republicano. As principais foram a Guerra dos Farrapos (1835-1845), na Região Sul, a própria Revolta dos Malês (1835), na Bahia, a Cabanagem (1835-1840), na província do Pará, a Sabinada (1837-1838), também na Bahia e a Balaiada (1838-1841), no interior da província do Maranhão.

As principais motivações para a Revolta dos Malês foram: a luta pela libertação do povo negro de sua condição de escravos e a garantia da liberdade religiosa. Além disso, os malês queriam derrubar o governo imperial para estabelecer o seu próprio regime, que garantisse a eles melhores condições de vida se comparadas com as condições deploráveis e indignas em que eles viviam.

Os envolvidos na revolta eram chamados de "malês" porque a maioria deles eram negros praticantes do islã, falantes de iorubá (a palavra ?malê? tem origem no termo em iorubá "imalê", que significa "muçulmano") e tinham chegado diretamente da África, portanto, não tinham nascido no Brasil. Na Bahia, eles eram conhecidos como "nagôs" e o grupo de rebeldes contou com aproximadamente 600 homens.

O evento se inicia na noite do dia 24, quando o então prefeito de Salvador, Francisco de Souza Martins, recebe uma denúncia anônima sobre uma possível revolta planejada pelos escravos. O prefeito, então, avisa ao chefe da polícia, Francisco Gonçalves, para dobrar a quantidade de patrulhas que rondam os distritos da cidade, ordenando que detivessem qualquer pessoa suspeita ou que estivesse em posse de armas.

A revolta propriamente dita começa no dia seguinte, quando a polícia tenta invadir uma casa suspeita. 60 homens dentre os rebeldes saem dessa casa e há um fogo cruzado entre os rebeldes e a guarda do palácio do governo. Muitos rebeldes saem pelas ruas tentando reunir o máximo de escravos possíveis para participarem do confronto. Outros foram em direção à Câmara Municipal resgatarem um dos líderes da revolta, Pacifico Licutan, mas acabam sendo detidos. Como ocorreram confrontos em diversos pontos da cidade, Salvador tinha se tornado um verdadeiro caos.

A última batalha aconteceu no momento em que os rebeldes se depararam com o quartel da cavalaria na região de Água de Meninos. Desse momento em diante, os malês são derrotados.

A partir de então, a repressão se tornou ainda mais dura. Os rebeldes sobreviventes receberam penas de diversos tipos, entre elas a deportação forçada ao continente africano, 16 condenações à morte (apesar de apenas 4 pessoas terem sido executadas) e penas de açoites que podiam variar entre 300 e 1.200 chibatadas.

Contudo, a Revolta dos Malês, apesar de ter sido derrotada, gerou um forte temor em Salvador, e esse clima de medo se espalhou por vários cantos do país. A revolta repercutiu na imprensa da época em larga escala e incentivou o surgimento de outras lutas do povo negro pela sua libertação. O fato é que os malês conseguiriam, de certo modo, confrontar e ameaçar o regime político vigente naquele dado momento.

Essa é uma prova de que, através dos movimentos de luta, de organização e de mobilização popular, é que o povo negro no Brasil conseguiu, a duras penas, se livrar de uma condição de vida escravizada, indigna e desumana. Hoje, a população negra precisa se unir na luta para superarem outros tipos de contradições afetam diretamente suas vidas, suas famílias e a sua qualidade de vida, como a questão do encarceramento em massa de negros nos presídios, o extermínio nas favelas por parte das forças repressivas do Estado burguês, a discriminação que é fruto do sistema capitalista e que só pode ser superada através de uma política revolucionária, os salários menores, menor nível de escolaridade, etc.

É através da organização e mobilização política é que a população negra poderá superar as condições de miséria que ainda afeta esse segmento da sociedade, por meio de um movimento de massa revolucionário.