Prefeito se reúne com diretor do Museu Nacional do Rio de Janeiro, Alexander Kellner

A Prefeitura e o Museu Nacional estão desenvolvendo uma parceria para criar uma das maiores atrações do Brasil, em Miguel Pereira

22/03/2019

O professor Alexander Wilhelm Armin Kellner é um paleontólogo e um dos mais conhecidos e renomados especialistas do mundo no campo de estudo dos pterossauros e é membro da Academia Brasileira de Ciências. 

Em 1999, ele ajudou a organizar a exposição No Tempo dos Dinossauros, que ainda hoje é tida como referência para a paleontologia nacional. Em 2006, organizou a montagem do primeiro esqueleto de dinossauros em grande escala no Brasil, o do saurópode Maxakalisaurus topai, pelo qual recebeu o reconhecimento do Congresso Brasileiro.

O Museu Nacional, que em 2018 foi devastado com o trágico incêndio, começa a ressurgir pelas mãos do paleontólogo Armin Kellner.

Academia Brasileira de Ciências

Com 36 anos, o professor Alexander entrou para a Academia Brasileira de Ciências. Segundo a Academia, ele descreveu mais de 65 espécies novas, tendo estudado material dos mais diversos pontos do planeta. "Esses mundos do passado que envolviam vários organismos são fantásticos. É entusiasmante estudar essas evidências da diversificação da vida no nosso planeta", disse o professor.

Museu Nacional

O Museu nacional é a mais antiga instituição científica do Brasil e o maior museu de história natural e antropológica da América Latina, criado por D. João VI em 06 de junho de 1818. Aonde é hoje o Museu Nacional, já foi moradia da família real por vários anos, onde inclusive nasceu D. Pedro II. Hoje, atua na interface memória e produção científica brasileira.

Titanossauro

Está montado no Museu Nacional o esqueleto da constituição óssea de um titanossauro descoberto no Brasil. É um exemplar que apresenta um comprimento estimado de 13 metros, um dinossauro herbívoro de pescoço comprido e cabeça pequena. Foi o primeiro dinossauro de grande porte brasileiro montado para exposição no país, mas que foi consumido no incêndio de 2018.

Parceria de Miguel Pereira com a chancela do Museu Nacional

O prefeito André Português está desenvolvendo uma das maiores atrações turísticas do Brasil, que é a criação do Parque dos Dinossauros com mais de 30 espécies em tamanho natural.

A reunião de 19/3 selou a intenção das duas instituições. A ideia é o desejo de que o Museu Nacional participe com a cooperação técnica no planejamento, acompanhamento, montagem e implantação dos dinossauros, principalmente quanto a forma, tamanho, sons, movimentos etc., tendo, dessa forma, a chancela do Museu Nacional. Algumas espécies, que estarão no Parque, também estarão no Museu no Rio de Janeiro, essa será a contrapartida da Prefeitura. O Museu Nacional participará e será parceiro do Parque dos Dinossauros de Miguel Pereira.

O Museu Nacional e as escolas 

Outra novidade que foi proposta na reunião de 19/3 será a participação do Museu Nacional nas escolas municipais de Miguel Pereira. Será um momento da retomada de atividades do Museu Nacional com escolas, especialmente de ensino fundamental e médio. Há quase 100 anos, o Museu Nacional mantém uma parceria muito efetiva com escolas de ensino fundamental e médio, que representa uma das relações mais emblemáticas da instituição com a sociedade e que recentemente foi drasticamente interrompida. Dentre outros aspectos, inclui o empréstimo de material didático e o trabalho com professores e alunos, em especial através de visitas didáticas às exposições.

Estiveram na reunião o secretário municipal de Turismo Alessandro Fonseca, o secretário municipal de Cultura professor Nicolau Salerno e o carnavalesco Cahê Rodrigues, que foi o responsável por desenvolver o enredo da Imperatriz Leopoldinense em homenagem ao Museu Nacional, sua grande paixão. Na semana que vem, 21/3, o diretor Alexander Kellner estará em Miguel Pereira.