Fumar e amamentar: combinação para filho obeso

Pesquisa da UERJ mostra que tabagismo materno no período de amamentação aumenta probabilidade do bebê se tornar um adulto obeso

27/12/2019 Planeta Colabora Edição 274

Foto 1 - Mãe fumando com bebê no colo: pesquisa indica que tabagismo materno leva à obesidade do filho quando adulto (Foto: MAY/BSIP/AFP)

Tabagismo das mães durante o período da amamentação, após o término da gravidez, aumenta a probabilidade da criança apresentar obesidade na vida adulta, de acordo com pesquisa desenvolvida na Universidade do Estado do Rio Janeiro (UERJ) pela nutricionista Thamara Cherem Peixoto, que cursa o doutorado no programa de Pós-Graduação em Biociências, com apoio da FAPERJ. Alterações nutricionais e ambientais, como o uso de cigarro durante a amamentação, podem levar à obesidade em razão da disfunção do tecido adiposo marrom.

"Como muitas mães param de fumar durante a gestação, mas retornam durante a lactação, acreditando que não vão prejudicar seus filhos, utilizamos os modelos experimentais de tabagismo materno durante a lactação para entender melhor os malefícios que o cigarro pode acarretar a longo prazo para esses descendentes, mesmo após a retirada da exposição" - Thamara Cherem Peixoto, nutricionista e doutoranda em Biociências

A pesquisadora explica que este tecido nos mamíferos está relacionado à termogênese - mecanismo que permite dispersar energia sobre forma de calor - e à regulação do gasto energético. "O tabagismo durante a lactação reduz a capacidade termogênica desse tecido, ou seja, o indivíduo gasta menos energia, o que favorece o acúmulo de peso e gordura corporal", explica Thamara.

A pesquisa começou em 2018 através de experimentos em ratos do tipo Wistar, incluindo mães e filhotes. "Como muitas mães param de fumar durante a gestação, mas retornam durante a lactação, acreditando que não vão prejudicar seus filhos, utilizamos os modelos experimentais de tabagismo materno durante a lactação para entender melhor os malefícios que o cigarro pode acarretar a longo prazo para esses descendentes, mesmo após a retirada da exposição", explicou a nutricionista.

De acordo com o estudo, a obesidade desenvolvida pode ser explicada pela redução da capacidade termogênica do tecido adiposo marrom dos filhotes. "Vimos que uma disfunção no tecido adiposo marrom dos filhotes, relacionada à redução da atividade simpática do nervo que vai para esse tecido, compromete a atividade termogênica, favorecendo o acúmulo de gordura corporal", explicou Thamara.

No modelo aplicado, a pesquisa foi desenvolvida com ratos Wistar e, principalmente, com tecido adiposo marrom, tecido adiposo branco e hipotálamo. O estudo foi elaborado com três diferentes desenhos experimentais: modelos fumaça, nicotina e desmame precoce. Cada experimento durou em torno de oito meses e envolveu etapas de acasalamento, gestação (3 semanas), lactação (3 semanas) e programação (26 semanas), além do período dedicado às análises (6 meses por modelo).

"Já foi demonstrado em animais experimentais que o desmame precoce (retirada da amamentação exclusiva antes dos 6 meses) também é um fator de programação metabólica, uma vez que favorece o aumento de peso e gordura corporal, alterações hormonais, resistência à leptina e redução da termogênese na idade adulta. Então a única opção seria o abandono do vício" - Thamara Cherem Peixoto, nutricionista e doutoranda em Biociências na UERJ

Os experimentos demonstraram que os filhotes desenvolvem obesidade, resistência à insulina e à leptina. Foi constatado ainda que também existe uma disfunção do tecido adiposo marrom que compromete a atividade termogênica, favorecendo o acúmulo de gordura. Os resultados deste estudo foram publicados recentemente em periódicos científicos, o mais recente na revista Neuroscience, da International Brain Research Organization (IBRO).

Para a pesquisadora, o trabalho desenvolvido na UERJ vai ajudar a entender melhor doenças dos seres humanos e servir de base para políticas de saúde. "Esses conhecimentos permitem que as autoridades públicas criem políticas para alertar as mulheres fumantes sobre os riscos impostos às crianças durante a amamentação, mesmo que as mães fumem longe de seus filhos, ajudar a entender melhor quais mecanismos estão envolvidos na obesidade e prevenir ou tratar adequadamente os distúrbios tardios", argumentou Thamara.

A nutricionista refutou enfaticamente a possibilidade de as mães fumantes deixarem de amamentar para evitar os prejuízos futuros aos bebês. "Já foi demonstrado em animais experimentais que o desmame precoce (retirada da amamentação exclusiva antes dos 6 meses) também é um fator de programação metabólica, uma vez que favorece o aumento de peso e gordura corporal, alterações hormonais, resistência à leptina e redução da termogênese na idade adulta. Então a única opção seria o abandono do vício, pois a retirada do leite materno antes do tempo recomendado pela Organização Mundial de Saúde (6 meses) também é prejudicial à saúde", destacou.


Por: Oscar Valporto