Cachaça Magnífica versus Ambev

A poderosa Ambev cria a cerveja Magnífica no estado do Maranhão, feita com a mandioca plantada no estado, e pede o registro do nome no INPI

07/02/2020 Economia Edição 280

Uma das características marcantes do engenheiro João Luiz sempre foi a grande disposição em lutar pelas causas que acredita e abraça. Uma delas foi a façanha de tirar a cachaça brasileira do patamar de "pinga" para um produto de qualidade e da pauta de exportação do Brasil, consumida na Inglaterra (terra do uísque), Alemanha e França, entre outros.

Em 1985, João Luiz de Faria criou a cachaça Magnífica, feita em Miguel Pereira, o 3º melhor clima do mundo. Ganhou esse nome por causa da mulher do empresário, que, como conta ele, era "a magnífica reitora" da Universidade Santa Úrsula no Rio.

Hoje, a cachaça Magnífica é um sucesso nacional e reconhecida mundo afora; é um sucesso de público e crítica. Em 2019, a poderosa Ambev cria a cerveja Magnífica no estado do Maranhão, feita com a mandioca plantada no estado, e pede o registro do nome no INPI - Instituto Nacional de Propriedade Industrial.

A Ambev não sabe com quem se meteu, seu tamanho e poder não importam para quem mudou a história da cachaça brasileira. "Entrei com um pedido de oposição ao registro deles no INPI e a solicitação foi acatada", disse João Luiz.

A fortíssima coincidência da Ambev e o desejo de querer surfar sobre o sucesso da cachaça Magnífica, que levou décadas de estrada e trabalho árduo, agora será decidida pelo INPI. A Ambev tenta argumentar dizendo que o registro foi apresentado em classe diferente da que consta a cachaça Magnífica. A luta está apenas começando.