Uma igreja fiel à sustentabilidade

Paróquia de São José usa energia solar e eólica, reaproveita água da chuva e faz campanhas para reciclar plástico

13/03/2020 Planeta Colabora Edição 285

E fez-se a luz? de placas solares instaladas em forma de cruz no teto da Paróquia São José, na Lagoa, Zona Sul do Rio. Mas não só: a energia também vem de captores de energia eólica instalados há poucos meses. A água? Vem de uma cisterna que capta água da chuva, com capacidade para 15 mil litros. Por iniciativas como essas, a igreja já é considerada uma das mais sustentáveis do Brasil. 

A água armazenada na cisterna, que fica na praça ao lado da igreja, não só é utilizada para banheiros e irrigação do jardim, mas também serviu, por exemplo, a um dos projetos sociais da paróquia, o Banho de Amor. Desde que começou, em março de 2019, até dezembro, o projeto já beneficiou 2.835 pessoas em situação de rua, sem acesso à moradia ou higiene pessoal.

"Com a colaboração dos fiéis, foram adquiridos os banheiros com chuveiro e também kits de higiene pessoal, com sabonetes, shampoo e pastas e escovas de dente", lembra o padre Omar Raposo, pároco da igreja e um dos maiores entusiastas dos projetos sociais. O padre explica que, como o tempo, ficou claro que a maior demanda por banhos estava no Centro da cidade, e os banheiros foram transferidos para a Catedral de São Sebastião, onde o projeto segue em curso, seguindo a lógica da Pastoral do Desenvolvimento Sustentável, lançada em 2017.

 

Metade da energia é renovável

 

A mesma pastoral também transformou a igreja em polo de geração de energia híbrida. As placas solares do teto e os captadores de energia eólica fornecem mais da metade da energia consumida pela igreja, que, além de muito iluminada, dispõe de aparelhos de ar-condicionado capazes de gelar, por exemplo, os cerca de mil fiéis que lotam a igreja nas missas dominicais das 19 horas celebradas pelo padre Omar.

 

Tampinhas viram cadeiras de rodas

 

Aliás, desde que se tornou pároco da São José, o padre vem adotando medidas voltadas à sustentabilidade. Assim são feitas as campanhas sociais e religiosas na São José. Uma delas contribui com a reciclagem de plástico na cidade e também beneficia os pacientes da Associação Brasileira Beneficente de Reabilitação (ABBR). Fiéis e centenas de outras pessoas coletaram incríveis 63.080 quilos de tampinhas plásticas de garrafas PET e, assim, compraram 119 cadeiras de rodas. A campanha prossegue com sucesso este ano, engajando muita gente. 

Padre Omar também leva práticas sustentáveis ao Cristo Redentor, onde é reitor. "O Santuário do Cristo Redentor tem como missão apoiar, articular e desenvolver ações sociais de natureza preventiva, favorecendo o acesso gratuito a projetos e serviços essenciais à população em situação de vulnerabilidade social", conta.

 

Foto 1 - As placas solares no teto da igreja São José, na Lagoa, instaladas em 2017. (Foto de divulgação)

Foto 2 - A Pastoral da Sustentabilidade atua na igreja São José com campanhas, como a de reciclagem de óleo. (Reprodução/Facebook/Paróquia São José)

Foto 3 - Tampinhas de plástico ensacadas para a reciclagem na igreja. (Reprodução/Facebook)