Visconde de Araxá com honras de grandeza

Domiciano Leite Ribeiro foi agraciado com o título de visconde com honras de grandeza de Araxá por decreto de 15 de outubro de 1872

20/03/2020 Historiador Sebastião Deister Edição 286

Domiciano Leite Ribeiro foi agraciado com o título de visconde com honras de grandeza de Araxá por decreto de 15 de outubro de 1872, tomando esta designação da cidade homônima de Minas Gerais. Nascido em São João d'El Rei em 22 de abril de 1812, era filho natural do padre João Ferreira Leite e de Maria Ifigênia da Costa, sendo ainda sobrinho paterno do barão de Ayuruóca (Custódio Ferreira Leite) e da baronesa de Itambé (Francisca Bernardina do Sacramento Leite Ribeiro).

Começou seus estudos na cidade natal, seguindo aos quinze anos de idade para a cidade de São Paulo onde assistiu à inauguração festiva da Faculdade de Direito em 1827, nela se matriculando em 1829 e recebendo seu bacharelado em 1833. Em tempo muito breve notabilizou-se na Província Fluminense como um político atuante, além de respeitado magistrado, razão pela qual de pronto se viu nomeado como juiz de direito da comarca de Rio das Mortes (hoje São João d'El Rei), para onde regressara após a formatura, cidade em que alforriou por sua conta o escravo que tinha sido seu pajem durante todo o curso de direito. Em seguida, Domiciano dedicou-se à advocacia em Valença, Vassouras e Barra Mansa. Militando pelo partido liberal, foi eleito deputado provincial por Minas Gerais, exercendo tal cargo de 1835 a 1839. Em 1842 participou com o Dr. Francisco de Assis Furquim de Almeida, e ao lado de outros rebelados, do comando da cidade de São João D'El-Rei pelo partido chefiado por Teófilo Ottoni, líder da Revolução Liberal. Foi também deputado geral entre 1864 e 1866, presidente da Província de São Paulo em 1848, ministro da agricultura, comércio e obras públicas no gabinete Zacarias no ano de 1864 e conselheiro de Estado em 1866.

Em 1850 mudou-se para Vassouras, onde já residiam vários parentes seus. Destacando-se nas atividades políticas daquela cidade, entre 1865-1866 passou a exercer a presidência da Província do Rio de Janeiro, recebendo simultaneamente a comenda de grande do império e cargos no conselho do Imperador e no conselho de Estado. O visconde de Araxá foi o autor da redação do manifesto vassourense, famoso texto divulgado em 1855 e que os partidos políticos de Vassouras enviaram ao senado do Império contra a reforma judiciária proposta pelo ministério do marquês de Paraná (Honório Hermeto Carneiro Leão), episódio de grande relevância política e histórica que ficou registrado como Movimento de Vassouras.

Colaborador de diversos jornais, mantinha uma coluna no Correio Mercantil com o pseudônimo de poeta vassourense e no jornal vassourense O Município sob o pseudônimo de O Macedônio, anagrama do seu primeiro nome. Em 1862, escreveu um livro de 392 páginas intitulado Trovas de um Quidam, que impediu de ser distribuído e que caprichosamente escondeu, cujos exemplares, hoje raríssimos, só foram descobertos após sua morte. Graças a amigos e parentes, outra obra sua, intitulada Reminiscências e Fantasias, também só veio à luz após seu falecimento, sendo publicada em Vassouras em 1883 com o prefácio escrito pelo primo e amigo barão de São João Nepomuceno (Pedro Alcântara Cerqueira Leite).

Domiciano ainda era primo-irmão do barão de Vassouras (Francisco José Teixeira Leite) e tornou-se seu cunhado quando este barão se casou com a irmã do visconde Alexandrina Teixeira Leite. Por seu turno, Domiciano esposou a prima Mariana Jacinta da Silva Guimarães (1825 - 1880), filha do major José Bento Ferreira da Silva e de d. Mariana Carlota Almeida Leite, tendo com ela sete filhos: Dr. Rodolfo (médico e morto solteiro); Dr. Alfredo (casado com a prima Ernestina de Almeida Leite Ribeiro); Maria Eugênia (casada com o primo Eugênio Leite Ribeiro); Olga (casada com o primo Dr. Agenor Teixeira Leite); Pedro (casado com Paulina Pomeray); Domiciano Filho (falecido solteiro) e Maria Gabriela (casada com seu primo Dr. José Fernandes).

Registre-se que Maria Gabriela e José Fernandes foram pais de Mariana Olímpia Leite Ribeiro Fernandes (1844-1883), que se casou com o Dr. Manuel Simões de Souza Pinto (1826-1899). Por seu turno, Mariana Olímpia e Manuel Simões tiveram uma filha de nome Helena Pinto, que se casou com o Dr. Antônio José Fernandes, irmão do Dr. Raul Fernandes, este uma das figuras públicas mais cultas e respeitadas da História recente de Vassouras.

O visconde faleceu em 12 de junho de 1881 na localidade de Desengano (hoje Barão de Juparanã), para onde se transferira a conselho do Dr. Rodolfo, seu filho médico, em razão da epidemia de febre amarela que grassara em Vassouras. Posteriormente, seus restos mortais foram então levados de Barão de Juparanã para o cemitério de Nossa Senhora da Conceição, em Vassouras.