Carlos Frederico Castelo Branco, o Calico

O cineasta Carlos Frederico Castelo Branco, 63 anos, conhecido como Calico, faleceu nessa 3ª feira em Miguel Pereira.

03/04/2020 Obituário Edição 288

O cineasta Carlos Frederico Castelo Branco, 63 anos, conhecido como Calico, faleceu nessa 3ª feira em Miguel Pereira. Além de ser uma pessoa culta, era também religioso e profundo conhecedor da teoria socialista.

Ambientalista

Em 1998, Calico fundou o ITPA - Instituto Terra de Preservação Ambiental, que tem como missão "conscientizar e mobilizar a sociedade para a cidadania e pesquisar e desenvolver projetos de caráter socioambiental, lutando pela preservação de nossa biodiversidade".

Inea e Ministério do Meio Ambiente

Ele participou do Inea, do Ministério do Meio Ambiente na gestão do ministro Carlos Minc e foi o responsável pela implementação da Agenda 21 em várias cidades do estado e do país. Calico se considerava um "ecossocialista desenvolvimentista"; acreditava que a preservação do meio ambiente e o desenvolvimento das cidades deveriam andar juntos.

RPPN Casa da Árvore

Construiu sua casa ao redor de duas árvores e, no resto do sítio, criou uma Reserva Particular do Patrimônio Natural, a Unidade de Conservação RPPN Casa da Árvore. A RPPN é um dos tipos de unidades de conservação brasileira previstas no Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC). A criação de uma RPPN tem caráter perpétuo, por isso é um presente às futuras gerações.

Plano Diretor

Calico participou ativamente dos trabalhos do 1º Plano Diretor de Miguel Pereira, contribuindo com dezenas de dispositivos que hoje fazem parte do Plano Diretor do município.

Cineasta

Ele era um cineasta com milhares de filmes e documentários filmados ao redor do mundo. Nos últimos meses, estava concluindo o documentário Zé do Gué, uma parceria de sua produtora Raízes com o Jornal Regional.

Político

Calico foi fundador do PT e dirigiu o partido na cidade no período em que o PT teve sua maior atividade orgânica, com reuniões semanais para discutir política.

Sua luta

Calico lutava contra um câncer no pâncreas e deixa esposa (Maria), dois filhos (Maurício e Ana Terra), quatro netos e centenas de amigos e admiradores. Foi uma perda irreparável para a cidade.

Seus amigos

Professor Tiago Madruga:

"Pelo seu protagonismo na área ambiental, Calico foi uma referência importante pra mim. Vai fazer falta!"

Mauro Peixoto:

"Ao seu lado lutei inúmeras batalhas; foi uma honra lutar ao lado dele, aprendi muito, Calico fará muita falta."

Pastor e psicólogo André Esteves:

"Calico, antes de tudo um amigo. Alguém que teve uma relevância, principalmente do ponto de vista ambiental, na história de Miguel Pereira. Infelizmente o perdemos, contudo, suas ideias continuam vivas."