"Miguel Pereira elege mulher e fixa poder feminino"

Dona Aristolina no Jornal do Brasil em 23.11.1970

 23/09/2022     Política Municipal      Edição 416
Compartilhe:       

Niterói (Sucursal) - O matriarcado, que causa apreensão em muitas áreas de Miguel Pereira, ganhou novo impulso com a eleição da Sra. Aristolina Queiroz de Almeida para a Prefeitura num município que já conta no Poder Judiciário, com a presença de uma juíza, uma promotora e uma escrivã.

Depois de confirmar a vitória da candidata da Arena, a juíza Maria Helena Pelegrineti Lourenço, a promotora Hermezinda Rocha e a escrivã Novinda de Carvalho Filgueiras foram juntar-se à Dona Aristolina e percorreram, numa caravana de 40 carros, seis ônibus e seis caminhões, as ruas da cidade, onde os maridos assistiram surpresos à festa de serpentinas e confete, que se estendeu até a madrugada de ontem.

 

Festejos

 

Um clima de euforia e comemorações invadiu a cidade de Miguel Pereira, desde a tarde de sexta-feira até a manhã de ontem, quando mais de 2 mil pessoas acompanharam a "caravana das mulheres sábias", conforme começaram a chamá-las os habitantes do município. Foguetes que explodiram, grupos de sambistas, serpentina e muitos confetes marcaram os festejos.

Das sacadas das residências, os maridos acompanharam a passagem das manifestantes e, em muitos, o clima era mesmo de surprêsa diante da ocupação paulatina das mulheres, não só do Judiciário e Legislativo, como agora até mesmo no Poder Executivo.

 

Vitória

 

A prefeita eleita de Miguel Pereira concorreu pela Arena e teve como companheiro de chapa (vice-prefeito) o comerciante Nélson Watanabe. O segundo candidato mais votado foi o comerciante Ainaro Pereira Leitão, que obteve 2.010 votos, enquanto Dona Aristolina Queirós de Almeida conseguiu 2.052.

Conhecedores da política do município disseram que não será surprêsa se, nas próximas eleições, as mulheres "concorrerem em massa aos cargos eletivos, pois cada vez mais cresce a confiança depois da experiência bem sucedida no Judiciário, da população em sua capacidade de liderança, e ninguém se espante se elas iniciarem a invasão do Poder Executivo."

 

O início

 

Tudo começou em Miguel Pereira, por volta de 1955, quando Dona Norvinda de Carvalho Filgueiras foi designada para chefe do Cartório Civil. Nascida em Paraíba do Sul, mas radicada em Miguel Pereira há 30 anos, logo nos primeiros anos, tornou-se muito querida da população. Sua indicação para o cargo foi decorrência natural, dizem os antigos moradores, dessa sua receptividade junto aos habitantes.

Tamanha foi sua penetração e, de resto, seu prestígio, que, em 1955, era nomeada também escrivã-chefe do cartório eleitoral, cuja zona conta com aproximadamente 6.000 eleitores.

 

A Juíza

 

A juíza Maria Helena Pelegrineti Lourenço, mineira de Paraguassu, é mãe de cinco filhos, numa faixa que vai de cinco a 13 anos, e foi designada para a comarca em 1968. Antes de exercer as funções em Miguel Pereira, já atuara como magistrada no município de Santa Maria Madalena, onde teve oportunidade, segundo revela, de aplicar seus conhecimentos e aprender as primeiras lições.

Ela mora em Barra Mansa e visita Miguel Pereira para cumprir suas funções três vêzes na semana, e, em sua opinião, não há nenhuma incompatibilidade entre a condição de juíza e de dona de casa, pois esse é um tabu que "precisa ser superado." Dona Maria Helena Pelegrineti Lourenço entende que a participação da mulher na vida pública "tornar-se-á cada vez mais acentuada, principalmente em decorrência da sua presença nas Universidades."

 

A Promotora

 

A promotora Hermezinda Rocha, há quatro anos, exerce as funções no Estado do Rio, mas, somente a partir de dezembro, foi designada para servir em Miguel Pereira. Casada também, é mãe de duas filhas, e "queiram ou não, as mulheres tendem cada vez mais a participar da vida pública."

- A sociedade moderna, com toda a sua complexidade - diz - não pode prescindir da participação feminina no mercado de trabalho, pois isso seria desastroso e pouco inteligente. Queiram ou não os conservadores, os que pararam no tempo, será crescente a figura da mulher, não só na área privada, como, de resto, nos setores Executivo, Legislativo e Judiciário da nação.

 

A Prefeita

 

A Sra. Aristolina Queirós de Almeida é, segundo habitantes de Miquel Pereira, "uma campeã contumaz". Sua vida política começou em 1956, porque o prédio onde ela lecionava estava em situação precária. Os moradores do distrito de Governador Valadares [Portela], onde nasceu e mora até hoje, incentivaram-na, e ela se candidatou a vereadora na primeira legislatura do município de Miguel Pereira, que antes era distrito de Vassouras.

Foi, na ocasião, a mais votada, e o seu mandato teve a duração de dois anos. Em 1958, seu marido, o Sr. Corinto de Almeida, a substituiu, elegendo-se também em primeiro lugar, mas garantem os antigos moradores que sua eleição foi obra e graça da professora Aristolina Queirós, que, embora derrotada para a prefeitura, jogou todo o seu prestígio em cima da eleição do marido.

 

A vocação

 

O marido da prefeita recém-eleita, Sr. Corinto de Almeida, é uma figura muito estimada na região e exerce, há 30 anos, a função de barbeiro. Faz política desde 1934, mas confessa que a vocação "maior reside em minha esposa, que dispõe de mais habilidade, mais picardia e, sobretudo, conta com maior cultura geral, o que é por demais importante para essa atividade."

Dona Aristolina Queirós de Almeida é mãe de quatro filhos, o mais velho com 30 anos - Luis Carlos de Almeida - e o mais novo - Clésio Ricardo de Almeida - com 15 anos. Em sua opinião, a mulher, no exercício da atividade pública, "dispõe do dom de minimizar a agressividade masculina, pois nós, mais do que ninguém, somos abertas ao diálogo.".

 

Programa

 

A prefeita eleita Aristolina Queirós de Almeida, em sua plataforma política, anuncia que "desenvolverá, principalmente, o turismo do município, que, atualmente, se apoia numa falsa estrutura, uma vez que não oferece aos que visitam Miguel Pereira o que êle muito bem pode dar.".

Não alimento a vaidade - afirmou - de imaginar um programa de grandes empreendimentos, mas tenho a certeza de que, com a cooperação de todos, poderei tomar iniciativas e promover realizações fundamentais para todos, desde o mais humilde trabalhador do campo ao homem que vive na cidade.