Medo de gozar

Me conta: você trava o seu espirro?

 14/05/2021     Sexologia      Edição 345
Compartilhe:       

Você̂ se permite gozar? Goza livremente, deixa aquela onda deliciosa de prazer invadir o seu corpo, treme inteira e geme alto deixando o animal selvagem que mora dentro de você̂ emergir?

Se estas perguntas acima te causaram até estranheza, não se preocupe, você não está sozinha. O medo, muitas vezes inconsciente, de se autorizar a sentir prazer, de ser merecedora de prazer é muito comum entre nós mulheres.

O prazer real e visceral se apresenta sob diversas e diferentes formas. Sim, fazemos caras e bocas, há movimentos involuntários de nossos corpos, aumento da frequência cardíaca, pele quente, tremedeira, gemidos e sons que nem sabemos que poderiam sair de nossas bocas, mas sim, eles saem. Nós simplesmente perdemos o controle e isso é maravilhoso. É o descontrole mágico do clímax.

O medo de gozar verdadeiramente (porque talvez aquela explosão possa parecer "esquisita"), faz com que mulheres travem seus orgasmos. E esta conexão com a parte mais animal do nosso ser acaba sendo bloqueada e nós, mais uma vez, somos domesticadas pelos nossos próprios medos e temores, temores que nos foram enfiados goela abaixo através de séculos de opressão e repressão sexual.

Não temos que gozar "bonitinho" e comportadas, nossos gemidos não têm que ser baixinhos. Temos que gozar potente, selvagem, com o rosto contraído sim e fazendo a careta que o prazer determinar. Mas fomos ensinadas diferente, né? Fomos ensinadas a nos comportar, a falar baixo e sentar de pernas fechadas. Fomos moldadas para sermos agradáveis e até nos fizeram crer que temos que travar o espirro! Fomos convencidas de que precisamos "nos dar ao respeito" para sermos respeitadas. O que é isso, minha gente?

E se você tem uma parceria que te poda, que te faz se envergonhar do seu corpo e do seu prazer, repensem as bases desta relação, se comuniquem e digam que não toleram mais este tipo de atitude castradora. Está nas nossas mãos dar o limite se você̂ está em uma relação que cerceia a vivência da sua sexualidade e cabe a você abraçar a sua potência e virar protagonista da sua sexualidade e do seu prazer.

 

Você se viu em algum dos exemplos acima? Sentiu o rosto corar porque faz exatamente o que descrevi? Me conta: você trava o seu espirro?

 

Te mostro o caminho para você ter mais prazer na vida, conhecer e amar seu corpo. O caminhar é seu, mas vamos de mãos dadas!

 

Ilustração: @revistastatto

___

Clarissa Huguet é bacharel em Direito, mestre em Direito Internacional, pela Universidade de Utrecht, pós-graduada em Educação Sexual pela UNISAL e idealizadora do perfil no Instagram @sexualize_se