O que a nudez te diz?

O nu agride ou enaltece os olhos? A nudez é vulgar ou é revolucionária e libertadora?

 28/05/2021     Sexologia      Edição 347
Compartilhe:       

Felizmente, no período em que morei na Holanda, tive a oportunidade de vivenciar o nu. Posei nua para artistas, pintores e escultores e tive a sorte de ser clicada por um holandês cuja paixão é fotografar, e captar através de sua lente, toda a beleza do nu feminino.

Em 2005, eu ainda não tinha essa noção de forma tão clara, mas hoje tenho certeza de que tratar a nudez da mulher de maneira simples e natural é um incentivo ao empoderamento feminino. Na realidade, a imagem do corpo feminino ajuda no fortalecimento da autoestima e na quebra de tabus e crenças limitantes, tendo um efeito extremamente positivo na vivência da sexualidade pelas mulheres que se permitem ter esta experiência.

Na minha vivência, me senti livre... adorava mudar de posição enquanto aqueles artistas se concentravam em me pintar de acordo com a interpretação de seus olhos, corações e mentes. Foi uma sensação real de liberdade e empoderamento. Eu ficava tão à vontade que, por vezes, até me esquecia de que estava nua. E ao mesmo tempo que me sentia tão confortável, tinha consciência de que quebrava um milhão de barreiras, considerando a avalanche de preconceitos e proibições que temos que lidar desde o nascimento no que concerne à nossa sexualidade.

Com relação aos ensaios fotográficos, seguramente não me refiro àqueles que adotam a ótica masculina que tende a objetificar o corpo feminino. Ensaios que buscam apenas o erotismo, reduzindo o corpo a um simples objeto de prazer sexual. Não é sobre isso que discorro aqui.

Falo sobre o nu-cru. Sobre ensaios que retratam em suas fotografias o corpo e a nudez como realmente são. Sem photoshop, sem retoques, ensaios em que os corpos revelam sua naturalidade através de imperfeições, que os tornam unicamente perfeitos. Em que a beleza está na singularidade de cada forma e na sutileza dos movimentos, naturalizando o corpo feminino.

 

Clarissa Huguet é bacharel em Direito, mestre em Direito Internacional pela Universidade de Utrecht, pós-graduada em Educação Sexual pela UNISAL e idealizadora do perfil @sexualize_se no Instagram.