BRAMIL de Miguel Pereira e Paty: Sindicato cobra melhorias

Sindicato apresentou uma série de reivindicações dos trabalhadores da rede

 24/01/2016     Sindicato   
Compartilhe:       

Em reunião realizada na semana passada com o representante dos supermercados Bramil, Jair de Souza Gitrola, o Sindicato apresentou uma série de reivindicações dos trabalhadores da rede. Dentre as elas estão a implantação do ponto eletrônico com comprovante impresso, o fim das dobras, a oferta de um plano de saúde para os trabalhadores e o fornecimento de refeição ou vale-refeição.

Segundo o diretor de Finanças José Cláudio de Oliveira, os trabalhadores da empresa vêm denunciando uma série de descumprimentos da legislação trabalhistas e dos acordos coletivos de trabalho, para as quais o Sindicato cobra soluções “Estamos encaminhando propostas para resolver as questões. A empresa precisa dar respostas que atendam os trabalhadores, cumpram a legislação e representem melhorias concretas das condições de trabalho para os comerciários do Bramil. Chega de abusos,” destaca o dirigente.

O presidente do Sindicato, Márcio Ayer, alertou o que a entidade não vai tolerar que o descumprimento da lei se torne uma prática para as empresas e um pesadelo na vida dos funcionários. “Os trabalhadores estão cansados de desculpas. Não há o que justifique, por exemplo, a folga fantasma,aquela em que o trabalhador não bate o cartão, mas trabalha e não usufrui do seu direito. Nós não vamos permitir esses abusos,” destaca o presidente.

Ao final da reunião, o representante da empresa se comprometeu a levar a pauta dos trabalhadores à diretoria da empresa para buscar explicações sobre as irregularidades assinaladas pelos dirigentes do Sindicato. Uma próxima reunião já foi marcada para o dia 18/09, no qual o representante vai dar retorno sobre as denúncias e as reivindicações apresentadas pelos trabalhadores da empresa.

Cachorro-quente – O Sindicato vai lutar para garantir que os trabalhadores da unidade de Miguel Pereira também tenham direito ao almoço, uma vez que a refeição é servida nas outras lojas da rede. “Vamos ser firmes na defesa do direito do trabalhador do Bramil. Caso a loja não tenha condições estruturais para dar o almoço no local, a solução é fornecer vale-refeição para que todos tenham os mesmos direito,” destaca Bizerra, que denuncia que a distribuição de cachorro-quente no feriado foi praticamente uma humilhação para os trabalhadores. “A gente se sentiu envergonhada e humilhada por receber aquele tipo de refeição.” reclamou uma trabalhadora que não quis se identificar com medo de sofrer represálias.