O Sorriso do Senhor Buda

São inevitáveis as divisões nas organizações religiosas e nas seitas, pois não existe Verdadeiro Conhecimento Espiritual!

 29/07/2017     Religiosidade   
Compartilhe:       

São inevitáveis as divisões nas organizações religiosas e nas seitas, pois não existe Verdadeiro Conhecimento Espiritual! Se não, veja-se o que sempre aconteceu e o que está acontecendo atualmente entre os deuses das atuais religiões, entre os líderes dessas religiões e entre os seguidores dessas religiões: dissensões, lutas recíprocas, guerras, violência, terrorismo, abusos recíprocos, desentendimentos, discórdias, descontentamento, insatisfação, ofensas, sectarismo, falta de Fraternidade, Harmonia e Unidade Humana! Mas viver em harmonia não significa deixar de duvidar e de questionar os problemas sociais e morais! No Budismo e no Hinduísmo e no Jainismo não existe fé! Tudo é questionado e colocado em dúvida; ninguém tem que aceitar nada! E quando duvidamos – inclusive de nossas opiniões – vemos mais claramente, temos mais lucidez, energia, vitalidade, força! Mesmo no Budismo, que nunca teve “guerras santas” com outras religiões, quando o Senhor Buda morreu sorrindo, o monge Subhaddha, discursando para seus companheiros, disse: “Não se aflijam! Não se lamentem! Felizmente estamos livres do Grande Asceta! Já estamos fartos de ouvi-lo dizer: Isso é adequado a vocês, isso não é adequado a vocês; mas agora poderemos fazer o que bem quisermos, e não teremos de fazer o que não quisermos!” Tanto a Bíblia budista como a cristã é composta de livros de épocas diferentes e escrita por muitos autores com materiais de vários períodos! Os hereges das várias religiões, sempre tinham opiniões próprias, manifestavam-nas como sendo de seus mestres – sempre agiram de acordo com a própria vontade e não segundo o que era justo! Reuniam-se em concílios e alteravam os ensinamentos de seus mestres, reescreviam esses ensinamentos para benefício próprio, profissional – as religiões organizadas são velhíssimas profissões!

A mente contém o cérebro, é anterior e posterior ao cérebro e ao corpo; e o Santo Graal é a Essência Incriada, sem Começo nem Fim, é a nossa Verdadeira Natureza! O Graal é o Possuidor do corpo ou o Cavaleiro da mente e do corpo – só o Graal sobrevive! O Santo Graal nutre e sustenta tudo – é o Verdadeiro Deus! Sem o Graal não existiria a mente intuitiva, a mente com seus pensamentos, a Alma, o Espírito e o corpo físico – só o Santo Graal sobrevive mesmo que o Espírito ou a Alma viva eternidades de tempo sem conta no circulo de renascimentos e mortes! O “eu” com seus pensamentos, pela própria natureza, não pode encontrar o Graal – a Sabedoria do Graal é que pode vir até ele quando existe autoconhecimento, e essa é a Verdadeira Meditação! Assim, portanto, a Verdadeira Essência de cada ser humano não é diferente do Graal, do Atman, do Cristo, do Divino Governante Interior!