Folias de Reis

Tal movimento folclórico, ligado aos vieses católicos (conhecido em Portugal como Reisada ou Reseiros), também é denominado Companhia de Reis

 19/02/2021     Historiador Sebastião Deister      Edição 333
Compartilhe:       

Tal movimento folclórico, ligado aos vieses católicos (conhecido em Portugal como Reisada ou Reseiros), também é denominado Companhia de ReisReisado ou Festa de Santos Reis, sendo ainda classificado como uma festa religiosa que lembra a Epifania do Senhor ou Teofonia, caracterizada pela Adoração dos Reis Magos ao Menino Jesus, cujo significado e simbolismo espiritual são, juntamente com a própria visitação dos magos, um resumo do Evangelho e da fé cristã, embora existam outras especulações a respeito do sentido das dádivas entregues por eles. Em geral, os grupos se formam com a meta de pagar uma promessa, e o cortejo deve ser realizado por sete anos, sem interrupções. Caso contrário, diz a crença, o folião recebe dos céus um castigo ou uma lição de vida.

O período de apresentação vai desde os festejos do Natal até o Dia de Reis - 6 de janeiro -, reportando-se, em geral, à procissão de homens travestidos de mendigos ou fantasiados com roupas espalhafatosas, cantando versos religiosos ou humorísticos, com motivos sagrados da História de Cristo, os quais seguem de porta em porta pedindo moedas. Segundo o folclorista Câmara Cascudo, no Brasil a folia refere-se sempre aos ranchos, ternos ou grupos que festejam o Natal e relembram os Reis, podendo ser apenas uma cantoria ou ainda possuir em enredo ou uma série de pequeninos atos encadeados ou não pela mesma ideia de apresentação festiva.

Nestes festejos existem elementos musicais com a presença de vários instrumentos (desde acordeõesviolõesviolascavaquinhos e reco-reco a caixas e pandeiros) com os quais os participantes da folia visitam as casas de porta em porta com sua cantoria, lembrando a viagem dos Reis Magos para levar ao Menino Jesus seus presentes de ouro, incenso e mirra. Como lembrado acima, esta manifestação revela a combinação de duas figuras da Teologia Católica: a Epifania (como sendo a aparição ou manifestação divina, no caso a primeira manifestação de Jesus Cristo entre os gentios) e a Hierofania (manifestação do sagrado em objetos, formas naturais ou pessoas). Portanto, o reisado aglutina elementos sagrados e profanos.

 

São elementos fundamentais em uma Folia de Reis:

 

- TRÊS REIS MAGOS: participantes que personificam os reis que visitaram o Menino Jesus logo após seu nascimento: Baltasar (que ofereceu mirra); Belchior (com a dádiva ouro) e Gaspar (com o presente incenso).

 

- BASTIÕES (OU PALHAÇOS): geralmente três. Tais figuras têm o costume de se chamar de irmãos, possuindo obrigações e proibições específicas (como jamais dançar diante da Bandeira). Sua principal função é a proteção da Bandeira e a solução do letreiro (que funciona como um enigma) feito pelo dono da casa com folhas e flores, como as letras VSR (Viva Santos Reis); VNSA (Viva Nossa Senhora Aparecida) e VJC (Viva Jesus Cristo). Os bastiões são responsáveis pelas acrobacias do cortejo. Levando um bastão, vestem-se com máscaras, e com o uso de um apito marcam a chegada e a partida da Bandeira. Durante suas exibições, ele pedem que os espectadores atirem moedas ao chão para homenageá-los. Saltando e brincando entre si, eles empurram as moedas com o bastão para que outro palhaço as guarde nas sacolas de donativos.

 

- CORO: é constituído geralmente por seis pessoas que são, ao mesmo tempo, cantores e instrumentistas. Este quantitativo pode variar de região para região.

 

- MESTRE OU EMBAIXADOR: é o principal personagem da folia, ou ainda chefe da folia, porque a ele cabe organizar a logística do grupo, o trajeto, os horários e os instrumentos, responsabilizando-se, ainda por improvisar os versos cantados junto às residências visitadas. Cabe aos mestres a importante função de manter viva a tradição das folias e transmitir sua oralidade.

 

- BANDEIREIRO OU ALFERES DA BANDEIRA: a ele é dada uma das mais importantes funções da folia, ou seja, carregar a Bandeira do grupo de maneira respeitosa e solene. O estandarte é apresentado ao chefe da residência por onde passa a folia, garantindo, assim, com sua importante presença, os donativos oferecidos pelas famílias.

Registre-se, também, que a Bandeira, chamada "Doutrina", é confeccionada, preferencialmente, com pano brilhante, sobre o qual se cola uma estampa dos Três Reis Magos. A Doutrina busca representar diretamente o Menino Jesus, constituindo, portanto, o elemento sagrado da companhia. Deve ser beijada pelos moradores das casas visitadas. Esse respeito deve durar mesmo passada a época de Reis. Na casa onde fica resguardada, há orações periódicas diante dela.

 

FESTEIRO: Figura das mais importantes, pois é na sua residência que os foliões fazem a "tirada da bandeira" e para onde é feito seu retorno ao final do "giro", isto é, depois do cortejo no Dia dos Reis. Normalmente utiliza-se a casa do mestre ou embaixador para a saída da bandeira e seu retorno. Todavia, em algumas regiões a folia usa a casa de alguma pessoa que, por motivo de promessa, arca com as despesas das apresentações.

 

Valença

 

Em Valença, existe atualmente a Associação Grupo de Folia de Reis de Valença (AGFORV), criada em 2004 e, hoje, coordenando 27 entidades com aproximadamente mil integrantes. A associação abrange localidades como São Bento, Cambota, Biquinha, Porto dos Índios, Juparanã, Quirino, Santa Cruz, Aparecida, Matadouro e Osório,

 

Paty do Alferes

 

Paty do Alferes possui nove folias atuantes, algumas com mais de 20 anos e com cerca de 50 integrantes.

 

Vassouras

 

Treze grupos pertencem à Associação de Folias de Reis de Vassouras, como Jardim do Éden, Família Teixeira, Boas Novas de Belém e Viagem dos Três Reis. A Associação é responsável pelo projeto Folia Mirim Pequenos Foliões, que é Ponto de Cultura e tem o objetivo de manter viva a tradição das folias.

 

Miguel Pereira

 

Por sua vez, Miguel Pereira atualmente possui apenas uma folia em atividade sediada no bairro Praça da Ponte.

 

Na próxima edição: Os Quilombos